Muroya comenta a dobradinha em casa

O piloto japonês fala da sua mais recente conquista em casa

Yoshi encantou os fãs

É sem dúvida uma conquista rara ganhar uma corrida em casa, sobretudo devido à grande atenção dos meios de comunicação social e ao entusiasmo do público – tudo aspetos que aumentam a pressão. Já conseguir ganhar em casa duas vezes consecutivas é mesmo uma grande conquista. Na história da Red Bull Air Race, apenas três pilotos ganharam duas ou mais corridas em casa!

Mike Mangold (Reno 2004, São Francisco 2005) e Kirby Chambliss (São Francisco 2006, Detroit 2008) entraram na história, já que ambos venceram duas corridas em casa, enquanto Paul Bonhomme foi ainda mais longe com três conquistas em casa (Longleat 2006 e duas vezes em Ascot, 2014 e 2015)! Assim, no preciso momento em que Yoshihide Muroya cruzou a meta na última corrida em Chiba, entrava automaticamente para este exclusivo clube, tornando-se no quarto piloto de sempre a conseguir vencer duas corridas em casa.

Muroya está na sua melhor forma de sempre. Até agora ganhou duas das três corridas da época, uma prestação que lhe permite estar no topo da classificação do Campeonato do Mundo pela primeira vez. Quando saiu do seu cockpit, após a corrida de Chiba, Muroya apressou-se a agradecer a todos pelo seu sucesso, mostrando-se muito emocionado. "Quero agradecer à minha equipa, à minha família, aos meus patrocinadores e aos organizadores que trouxeram a corrida até ao Japão". Ter uma corrida no seu próprio país significa muito para Muroya. "Há hoje uma enorme base de fãs no Japão, tem crescido muito nos últimos três anos. Digamos que isso também aumenta muito a pressão, mas é ao mesmo tempo uma grande ajuda. Ter 90 mil pessoas a apoiar-me dá-me a sensação de ser empurrado com vento de cauda".

Tal como Paul Bonhomme disse muitas vezes no passado, competir em casa não é fácil. Os pilotos querem apenas voar e depois da corrida Muroya concordou com o piloto britânico. "Competir em casa não é uma situação fácil, pois estamos mais expostos à pressão da imprensa e dos fãs. É claro que isso faz parte do meu trabalho, mas é complicado estar concentrado nestas circunstâncias. Entretanto parece que consegui superar bem tudo isto, por isso estamos tranquilos para o próximo ano", explicou Muroya.

Muroya está agora no topo da classificação, com 30 pontos. Martin Sonka também tem 30 pontos, mas é segundo por ter conquistado apenas uma vitória esta época. O atual Campeão do Mundo, Mathias Dolderer, está a sete pontos de distância. A última vez que dois pilotos estiveram empatados na classificação geral foi há dois anos, quando Paul Bonhomme estava em primeiro e Matt Hall em segundo, ambos com 25 pontos. Nessa altura, Bonhomme estava próximo do seu terceiro título. Para já, Muroya ainda não pensa tão à frente. "Ainda faltam disputar cinco corridas, por isso há muitos pontos em disputa. Para já a temporada está só a começar, mas estamos no ritmo certo – conseguimos estar presentes em todas as Final 4 e é isso que queremos, manter este nível e ser consistentes em todas as corridas," explica Muroya.

"Eu acredito que posso ser Campeão do Mundo. É para isso que vou continuar a treinar e voar. Nós não vamos mudar de estratégia, talvez aconteça este ano, mas se não acontecer, continuamos no próximo ano. Não vou parar até ser Campeão do Mundo", concluiu.